segunda-feira, 20 de abril de 2009

The reader - o leitor


Assisti o filme THE READER - O leitor, em que Kate Winslet ganhou a estatueta de melhor atriz, depois de 6 indicações. Na minha opnião foi um filme muito bom, a história em si prende mesmo a atenção do telespectador. O que mais me chamou a atenção foi na dor que a atriz conseguiu transmitir desde o início da trama, dor ocasionada pelo vazio de não saber ler. Inicialmente pensei que fosse outro o motivo, mas depois fica claro que a maior tristeza dela era não saber ler. Seu relacionamento com um garoto (como ela mesma o chamava) de 15 anos, quando ela tinha 36, parecia frio e sem sentido e que ela só gostava de ouvi-lo ler histórias épicas, românticas, de tudo, ela sentia um prazer enorme em ouvir alguém ler. E essa ausência das letras em sua vida a transformou numa mulher solitária e sem sentimentos a ponto de ir trabalhar como guarda do holocausto, se omitindo num incêndio que matou 300 mulheres. Mas ela, segundo as outras guardas, tinha um ritual diferente na hora de escolher quais iriam para a morte, antes ela as levava para casa, dava-lhes comida e abrigo por uma noite, em troca de leitura. É contraditório uma pessoa se encantar tanto com lindas histórias inventadas por alguém que tinha um coração sensível e ao mesmo tempo não ser capaz de salvar mulheres como ela, que sem motivo eram levadas à morte cruel por nazistas. O juiz no tribunal pergunta isso a ela no julgamento, sua justificativa foi totalmente torpe, ela disse que se as soltasse iria virar um caos, todas iriam correr, tentar fugir...enfim, fazer o que todo ser humano são faria na mesma situação: tentar sobreviver. Inclusive ela mesma, certamente o faria. Foi condenada à prisão perpétua por ter sido incapaz de admitir que não escreveu o relatório do que houve com o próprio punho por não saber ler e escrever. Aquilo lhe doeu tanto que preferiu confessar o que não fez, ao invés de dizer na frente de outras pessoas e até dela mesma que era analfabeta. Tem muito de orgulho nisso, claro, pois nem todo analfabeto age assim, numa situação que necessite ler, eles pedem ajuda - me avise qual o próximo ônibus. No fim da vida, já idosa, volta a ouvir a voz do garoto que lia para ela através de um gravador que ele lhe mandou, garoto que ela marcou por toda a vida; ele nunca deixou de amá-la, e sua mágoa, por ela tê-la deixado sem se despedir, o transformou num adulto triste e sem alegria de viver. Ele passou a mandar fitas com sua voz lendo as mesmas obras que ele lia para ela na adolescência, isso a devolveu a vida, na verdade pode ter até dado pela primeira vez, pois a partir dessas fitas ela teve coragem de pegar livros na biblioteca da prisão e assim, tentar a prender a ler, e conseguiu. Sozinha, com mais de sessenta anos, presa a mais de 20, conseguiu aprender a ler e escrever. Infelizmente logo em seguida ela se decepcionou muito ao perceber, erroneamente, que ela não significava nada para o garoto, que cresceu triste e sozinho, como ela. Preferiu o suicídio.
Deve ser muito triste a ausência das letras na vida. A pessoa deve se sentir perdida, só, deve afetar muito a auto-estima. Infelizmente existem muitos brasileiros que não sabem ler, mas por motivos diferentes. Uns por pura falta de oportunidade, outros por problemas muitas vezes desconhecidos pela maioria, como dislexia, deficiência de atenção, disgrafia, enfim, inúmeros sintomas podem ocasionar o analfabetismo. Engana-se quem pensa que apenas pessoas iletradas desconhecem isso, tenho caso na família de completa ignorância nesse sentido e a criança é que sofre na mão dessas "portas", ops "pais".


Bem, é uma história linda, difícil, mas muito boa para aprendizado e análise de diferentes nuances do ser humano. Por isso que na capa do dvd tem a pergunta: o quão longe você iria para proteger um segredo?
=)

3 comentários:

disse...

Oi Pata, olha adorei seu comentario, bem interessante mesmo mas acho que vc devia deixar os outros assistirem o filme e nao revelar a angustia da personagem antes que o telespctador descubra pq tem gente que nao sabe o motivo do titulo ...o leito...e tbm acho q ela nao se matou pq nao significava nada mais pra ele e sim pq ela viu que sua vida nao teria sentido se ele nao voltasse a ler pra ela...isso é claro quando ele pergunta se ela gosta de ler e ela diz q prefere q leiam p ela...e tbm pq ela via q ali ele decidia um trauma antigo e ela perdia um sentido p sua vida mas nao pq ele nao queria mais ela e sim pq ele queria se livrar d um sofrimento emocional antigo...mas achei seu comentario bem maduro e de qm realmente assistiu o filme cm carinho...bjos

Paty disse...

Será???
Viu como é relativo, dois pontos de vistas diferentes para uma mesma trama ou trauma.
becitos

Déo "Neguinho Atento" disse...

To doido pra ver esse filme...quando senti que vc ia revelar algo, parei de ler na hora... rsrsrrs